ARACAJU/SE, 26 de fevereiro de 2024 , 21:58:12

logoajn1

PF e MPF cumprem mandados de busca contra Aécio Neves

 

Equipes da Polícia Fededral e do Ministério Público Federal (MPF) cumprem mandados de buscas em endereços ligados ao senador Aécio Neves (PSDB/MG) no Rio de Janeiro. Outros alvos da justiça são a irmã do senador, Andrea Neves, e Altair Alves, que é apontado como homem forte do ex-deputado federal Eduardo Cunha – que se encontra preso em Curitiba (PR). A operação foi deflagrada após a delação feita pelo proprietário da JBS, que entregou ao Procuradoria Geral da República (PGR) uma gravação onde Aécio aparece pedindo a ele R$ 2 milhões.

As buscas estão sendo realizada em imóveis do senador e no gabinete dele no Congresso Nacional. A informação é que tem um mandado de prisão preventiva expedido contra a irmã dele. A informação é que o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou o afastamento der Aécio Neves do mandato de senador e do deputado Rocha Loures (PMDB-PR) do mandato de deputado federal.

Na operação, o procurador da República Ângelo Goulart Villela já foi preso e há um mandado de prisão contra o advogado Willer Tomaz, que são ligado a Eduardo Cunha. Até o momento as defesas dos acusados não se pronunciaram sobre a operação.

Na delação do dono do frigorífico JBS, Joesley Batista, ele entregou à PGR uma gravação do senador Aécio Neves pedindo a R$ 2 milhões. No áudio, com duração de cerca de 30 minutos, o presidente nacional do PSDB justifica o pedido dizendo que precisava da quantia para pagar sua defesa na Lava Jato. A informação foi divulgada pelo jornal “O Globo” na quarta-feira (17).

A entrega do dinheiro foi feita a Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Aécio, que foi diretor da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), nomeado por Aécio, e um dos coordenadores de sua campanha a presidente em 2014.

Em nota, a assessoria de imprensa de Aécio Neves afirmou que o senador “está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos”. “No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público. O senador aguarda ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários”, diz o texto.

*Com informações do G1

Você pode querer ler também