ARACAJU/SE, 29 de fevereiro de 2024 , 15:25:15

logoajn1

Codevasf e governo discutem obras do Canal de Xingó

 

Nessa sexta-feira (31), o governador Jackson Barreto recebeu a presidente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales de São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Kênia Marcelino, para discutir a execução do projeto Canal de Xingó, juntamente com técnicos da área do governo de Sergipe e deputados estaduais e federais.

O governo federal, idealizador do projeto, garantiu os recursos para a Codevasf, licitar o serviço de elaboração básico para a primeira fase do Canal do Xingó. O canal vai ofertar água para a população do semiárido nos estados de Sergipe e Bahia. A elaboração do projeto básico está estimada em R$ 16 milhões e a ação será financiada com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Os recursos necessários para o ano de 2017 foram viabilizados por meio da inclusão, na Secretaria de Orçamento Federal (SOF), de movimentação orçamentária em favor da Codevasf, iniciativa que teve o apoio do Ministério da Integração Nacional e da bancada parlamentar federal de Sergipe.

“A Codevasf pode contar com todos nós do governo, pois uma vez iniciada, essa obra não vai parar. Só precisamos dar o primeiro passo, pois a sociedade despertou para o Canal de Xingó. É pra isso que estamos juntos nesse debate, reunindo todos aqueles que têm compromisso com o estado e com a gente sergipana. Acho que as explicações foram extremamente inteligentes, do ponto de vista de dividir a primeira fase do projeto em três etapas, porque já mês de outubro, nós estaremos em cima da votação do orçamento da União. Ou seja, com a primeira etapa dessa fase concluída, poderemos buscar recursos para assegurar que, no próximo ano, depois da conclusão do projeto, a obra tenha condições de ser iniciada”, disse o governador.

A presidente espera que, até o final de outubro ou começo de novembro, o projeto já esteja concluído. “Assim, tentaremos viabilizar junto ao Congresso uma emenda de bancada para iniciarmos essa obra já no ano de 2018. Porém, mais uma vez digo que, para que as obras sejam iniciadas, precisaremos de dotação orçamentária e por isso, mais do que nunca, esperamos a união do Estado para conseguirmos viabilizar os recursos. Vamos tentar viabilizar quer seja através de recursos da União, ou por emendas de bancada”, explicou.

 

Você pode querer ler também