ARACAJU/SE, 29 de fevereiro de 2024 , 16:48:52

logoajn1

Casos de Dengue e Chikungunya diminuem, contudo, os de Zika aumentam em Sergipe

Da redação, AJN1

Além da covid-19 – que toda a população deve se preocupar, evitando aglomerações, usando máscara de proteção facial, além de higienização frequente das mãos – outras doenças que também merecem atenção continuam a circular pelo país, a exemplo das arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, como a Dengue, Chikungunya e Zika, velhas conhecidas dos sergipanos.

De acordo com o boletim divulgado nesta sexta-feira (12) pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), por intermédio do Sistema de Agravos de Notificações (Sinan) [ferramenta digital capitaneada pelo Ministério da Saúde e alimentada pelas Secretarias Estaduais], no período epidemiológico que vai de 3 de janeiro a 6 de novembro de 2021, (1ª a 44ª Semanas Epidemiológicas), 595 pessoas apresentaram exame positivo para dengue, outras 2.535 tiveram Chikungunya e 277 Zika. Em 2020, foram 1.759 confirmações de Dengue, 3.569 de Chikungunya e 159 de Zika, isto é, reduções de 66,1% de Dengue, 28,9% de Chikungunya e aumento de 8,1% de Zika, respectivamente.

“O boletim vem justamente apresentar uma análise dos números das arboviroses dengue Chikungunya e Zika, fazendo uma análise do início do ano, desde da primeira semana epidemiológica até a quadragésima semana, tendo em vista que o ano ainda não encerrou. Verificamos que houve uma diminuição dos casos de dengue em relação a 2020, relativos à Chikungunya, embora o número de casos seja significativo em 2021, houve uma redução comparativamente ao ano passado. Em relação à Zika, ocorreu um número maior que em 2020, mas não consideramos um surto ou epidemia”, explica Sidney Sá, gerente do Núcleo de Endemias da Secretaria de Estado da Saúde.

Municípios

Dos 75 municípios sergipanos, 66 registraram casos, o que corresponde a 88% do território e nove deles, ou seja 12%, não possuem registro de casos suspeitos. As cidades de Cedro de São João, Malhada dos Bois e Malhador possuem as mais altas taxas de incidência.

A gerente Sidney Sá ressaltou que esse trabalho de monitoramento, tem a finalidade de orientar ações de vigilância, prevenção e controle da Dengue, Chikungunya e Zika em todo o estado. Além disso, possibilita a execução de ações para controlar a situação epidemiológica em todo o território.

“A SES vem desenvolvendo ações sistemáticas para conter esse vetor, o mosquito, principalmente, com o verão que se aproxima. A secretaria vem trabalhando com o carro fumacê para conter a população desse vetor na fase adulta, já passamos por três municípios, estamos encerrando mais dez cidades e programando outras localidades para dezembro. Desse modo, vamos nos somando aos agentes de endemias que já fazem um trabalho diário nos municípios”, enfatiza.

 

 

 

Você pode querer ler também