ARACAJU/SE, 24 de maio de 2024 , 8:18:02

logoajn1

Condutores do Samu decidem paralisar atividades por tempo indeterminado

Os condutores de ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir desta sexta-feira (6). A paralisação foi decretada durante assembleia realizada esta manhã na base do Samu, situada em frente ao hospital João Alves. A categoria reivindica, entre outras questões, a legalidade da decisão governamental de redução de carga horária de 36h para 24h, acordada em maio de 2014. 

 

Antes, o presidente da categoria, Adilson Ferreira, se reuniu com representantes do Tribunal de Contas (TCE), Fundação Hospitalar de Saúde (FHS) e Ministério Público Estadual (MPE) para  pedir apoio e tentar solucionar a questão sem que haja prejuízos para a categoria.

 

“Houve um acordo de greve em maio de 2014 onde estabelece a redução de carga horária. Na fiscalização, o TCE detectou que existe um excesso de hora em função dessa carga-horária. Então, o TCE pede que esse acordo seja regulamentado, através de lei estadual e de uma homologação junto à Delegacia do Trabalho, já que na época, apesar do Conselho Curador ter assinado o acordo de redução, a gente confiou e não homologou. O TCE pede é que se homologue e se crie uma lei estadual. Vivemos nessa angústia constante, mês a mês vencem os prazos dados pelo TCE e o Governo não faz nada”, explicou Adilson.

 

Ambulâncias quebradas

 

Segundo Adilson, existem cerca de 27 ambulâncias quebradas. “O Estado diz que vai trazer ambulâncias do governo Federal. Existem 27 ambulâncias quebradas, ou seja, já existe uma greve natural pela deficiência do serviço. Cinquenta por cento dos carros estão quebrados, com a greve piora. As ambulâncias estão quebrando porque não há uma manutenção preventiva, além da corretiva. De uns tempos para cá, desde quando se iniciou a Fundação de Saúde, infelizmente não se faz a manutenção preventiva e os carros ficam velhos e sem manutenção. É preciso que o Governo faça mais investimento”. 

 

SES

 

A reportagem da AJN1 procurou a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado da Saúde (SES), mas não obteve êxito. A AJN1 está à disposição da SES para mais esclarecimentos, através do contato telefônico 3234-3242 ou e-mail: ajn1@correiodesergipe.com.

Você pode querer ler também