ARACAJU/SE, 17 de abril de 2024 , 0:29:01

logoajn1

Hospital de Cirurgia tem 3 pacientes infectados com bactéria KPC

O Hospital Cirurgia registrou três pacientes infectados com a bactéria multirresistente (Klebsiella pneumniae, produtora de carbapenemase) (KPC). Segundo a assessoria de comunicação da unidade de saúde, não há motivo para pânico, os pacientes com a bactéria estão isolados.

 

“Há três casos confirmados, como somos um hospital de referência, já foi constatado que eles chegaram infectados de outras unidades hospitalares. Esse tipo de bactéria já ataca pacientes que estão em situação debilitada, com o sistema imunológico comprometido. Um desses pacientes, inclusive, está na UTI”, explica.

 

A assessoria entende o desespero de parentes dos pacientes que estão em situação de risco, mas salienta que o hospital segue todos os requisitos de contenção da bactéria. “Entendemos a dor dos parentes, mas como o hospital tem essa característica de receber pacientes de outros hospitais, estamos sujeitos a esse tipo de problema. Seguimos todos os requisitos de isolamento. Descartada a possibilidade de infecção de bactéria, esse paciente é retirado do isolamento. Infelizmente esse é uma característica da medicina mundial”, frisa.

 

Surto

 

No ano passado, o estado de Sergipe sofreu com o surto da superbactéria. Hospitais públicos e privados de Sergipe registraram um total de 72 pacientes infectados, 19 pessoas não resistiram e morreram. A Secretaria de Estado da Saúde, por sua vez se pronunciou e afirmou que as mortes não teriam sido atribuídas às bactérias e sim à debilitação dos próprios pacientes.

 

Procurada pela reportagem, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) disse através da sua assessoria de comunicação que é responsabilidade do próprio hospital, pela comissão de controle de infecção hospital, conter o avanço da bactéria.

 

KPC

 

A bactéria KPC é um microorganismo que foi modificado geneticamente no ambiente hospitalar e que é resistente aos antibióticos. A bactéria KPC, a“superbactéria”, foi identificada pela primeira vez nos Estados Unidos no ano 2000, depois de ter sofrido uma mutação genética, gerando uma resistência a vários antibióticos (carbapenêmicos, especialmente) e a grande capacidade de tornar resistentes outras bactérias. A bactéria KPC pode ser encontrada na água, em fezes, no solo, em vegetais, cereais e frutas. O contágio ocorre em ambiente hospitalar, pelo contato com secreções do paciente infectado, desde que não sejam respeitadas normas básicas de desinfecção e higiene.

 

A KPC pode causar pneumonia, infecções sanguíneas, no trato urinário, em feridas cirúrgicas, enfermidades que podem evoluir para um quadro de infecção generalizada, muitas vezes, mortal. Crianças, idosos, pessoas debilitadas, com doenças crônicas e imunidade baixa ou submetidas a longos períodos de internação hospitalar (dentro ou fora da UTI) correm risco maior de contrair esse tipo de infecção. A resistência aos antibióticos não é um fenômeno novo nem específico da espécie Klebsiella. Porém, esses germes multirresistentes não conseguem propagar-se fora do ambiente hospitalar.

 

Por Carolina Farias/CS

Você pode querer ler também