Unidades de Saúde da Família da capital sergipana são alvos de vandalismo

Diariamente, algumas Unidades de Saúde da Família (USFs) são vítimas de ações de vândalos. Em alguns locais, os problemas são tão recorrentes que em menos de 24h após a pintura completa, estes endereços voltam a ser pichados outra vez, muitas vezes com palavras ofensivas aos administradores públicos. Só na última semana, a USF Onésimo Pinto, localizada no Jardim Centenário, foi depredada três vezes e os gastos para esses reparos extras tornam-se gastos para a Rede Municipal de Saúde.

Segundo a gerente de Manutenção da Saúde de Aracaju, Vanessa Krisciane Silva Santos, os problemas mais rotineiros são pichações e depredação de telhado. “Temos a equipe de manutenção diariamente percorrendo as USFs, porém, alguns locais são mais recorrentes gerando gastos desnecessários. Uma reforma de fachada de unidade chega a custar até R$ 10 mil enquanto uma revisão geral de telhado chega a R$ 20 mil. Em determinados locais fazemos estes reparos constantemente”, informou.

No ano passado, por exemplo, uma grande reforma no telhado da USF Walter Cardoso, no bairro Veneza, foi necessária devido ao mau comportamento dos jovens daquela localidade.

 

“Os adolescentes subiam um muro de quatro metros para então soltar pipa em cima do telhado, além de jogarem pedras e pneus em cima do telhado da USF Walter Cardoso. Eles se penduravam nas grades das janelas e ainda arrancaram a grama da praça em frente a unidade, para usar o espaço como campo de futebol. Nós tivemos que intensificar o controle com apoio de vigilantes e também conversando com estes jovens sobre a importância de preservar o local para beneficio próprio, visto que cada unidade é uma referência para a saúde do cidadão aracajuano”, disse a gerente da USF Walter Cardoso, Adeli de Oliveira.

Ainda de acordo com Vanessa Krisciane, nos últimos meses, a Secretaria Municipal de Saúde vem intensificando as ações de manutenção e reformas gerais nas USFs da capital. “Além de acabarmos a pintura da USF Onésimo Pinto (três vezes em menos de uma semana, devido aos insultos pichados nas fachadas), encerramos as reformas de telhado e pintura ainda nas USFs Madre Tereza de Calcutá, Santa Terezinha, Edézio Vieira de Melo, Renato Mazze Lucas, Elizabeth Pita, Porto Dantas e o telhado da sala de pequenas cirurgias do Cemar Siqueira Campos”, informou.

 

Com informações da PMA