ARACAJU/SE, 22 de fevereiro de 2024 , 23:57:17

logoajn1

Governo pretende entregar obra do Centro de Convenções só em 2020

Da redação, Joangelo Custódio

A obra de reforma e ampliação do Centro de Convenções de Sergipe (CCS), iniciada há mais de quatro anos, deve ser concluída somente em 2020, ainda sem dia ou mês definido pelo governo do Estado para a tão esperada reinauguração, apesar dos percalços.

Mas a tendência é de que o laço seja descerrado ainda no primeiro semestre do ano que vem, já que na retificação de extrato do termo aditivo ao contrato, divulgado pelo Diário Oficial no último dia 16, a empresa contratada para executar os serviços, a Sercol Saneamento e Construção, tem até 16 de janeiro para concluir a reforma, sob supervisão da Companhia Estadual de Habilitação e Obras Públicas (Cehop).

Problemas

A reforma, orçada em mais de R$20 milhões, com recursos do Ministério do Turismo e contrapartida estadual, foi iniciada em meados de 2015, ainda na gestão do ex-governador Jackson Barreto (MDB), mas teve que ser paralisada porque a antiga empresa contratada para executar os serviços abandonou a construção, alegando problemas financeiros. Também ocorreram alguns entraves pontuais com a Controladoria Geral da União, referente a preços de materiais, a exemplo do telhado.

Os trabalhos só foram retomados em maio de 2018, já sob a batuta do governador Belivaldo Chagas (PSD), o qual enxerga o espaço como “extremamente importante para o turismo de negócios e eventos de Sergipe”.

PPPs

Recentemente, o governador anunciou que serão formalizadas Parcerias Público-Privadas (PPPs) para administração do CCS, informações ratificadas pelo secretário de Turismo interino, Sales Neto.

“O governo está trabalhando um edital de Parceria Público-Privada. A intenção do governo é, assim que a obra estiver pronta, entregar a concessão para que a iniciativa privada possa administrar o Centro de Convenções. Terminando essa parte da obra do telhado, de acabamento da estrutura, a gente acredita que consegue entregar ano que vem já administrado pelo setor privado, como recomendação do governador Belivaldo Chagas”, acredita.

Descrença

O turismo de eventos e negócios representa uma das formas mais promissoras para desenvolver o turismo local, mas com o CCS fechado desde 2015, Sergipe perde a cada ano uma cifra incalculável. Por conta disso, os empresários que vivem deste segmento estão na queixa com o governo.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Sergipe (ABIH-SE), Antônio Carlos Franco Sobrinho, a entidade prefere não emitir qualquer opinião sobre prazos da conclusão do Centro de Convenções, uma vez que vários já foram dados e nenhum foi cumprido até o momento.

“Infelizmente, já fomos enganados várias vezes sobre o prazo para a conclusão de uma obra tão importante”, lamenta Sobrinho. De acordo com ele, não é possível estimar o valor exato do prejuízo financeiro para o Estado sem um centro de convenções, mas garante que foram milhões de reais nesses mais de cinco anos de fechamento do espaço. “Não dá para confiar em novas promessas”, alega.

A reforma

Atualmente, o CCS ocupa uma área de 10.124,99m², uma vez ampliado, terá 16.374,68 de área construída em um terreno de 23.287,04m². A capacidade de assentos aumentará em 241%, já que das 572 existentes nos três auditórios. O número passará para 2.291 por conta dos outros nove que serão construídos, todos eles com paredes removíveis. Também serão disponibilizadas 196 vagas de estacionamento, sendo 130 cobertas.

O direito à acessibilidade será assegurado com plataformas de acessibilidade (elevador especial), rampas, escada rolante, piso tátil, banheiros exclusivos para pessoas com mobilidade reduzida, além das vagas específicas em todos os auditórios e nos estacionamentos.

Dentro dos serviços que estão sendo executados, também serão inseridos sistema completo de climatização, tratamento acústico, sonorização, de combate a incêndio e de proteção de descargas atmosféricas (SPDA), além da construção de cantina, bar, depósito, estando o espaço ao final da reforma com capacidade para receber 6.500 pessoas somando os auditórios e a área de exposição.

Você pode querer ler também