ARACAJU/SE, 28 de fevereiro de 2024 , 10:27:17

logoajn1

UFS se compromete em realizar ações contra assédio sexual



A Universidade Federal de Sergipe apresentou ao Ministério Público Federal um conjunto de medidas que adotou e que se encontram em implementação para o enfrentamento e prevenção do assédio como violência de gênero no meio acadêmico. A universidade detalhou ações referentes a formação, acolhimento, atendimento psicológico, mobilização e divulgação sobre o tema, que serão objeto de portaria.

A apresentação das propostas ocorreu no auditório da reitoria da UFS, na quinta-feira, 11. O reitor, Ângelo Antoniolli, a vice-reitora da UFS, Iara Campello, e equipe técnica da universidade participaram do encontro com representantes do MPF/SE, da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da OAB/SE e do Coletivo de Mulheres Livres.

Na reunião, a universidade se comprometeu em incluir no projeto pedagógico fundamentos e orientações a respeito da temática “violência de gênero no meio acadêmico, em especial do assédio sexual” para a comunidade UFS. O tema também será colocado evidência por meio de exibições de filmes, documentário e mostras de fotografias.

Orientação

A orientação à comunidade acadêmica será realizada por meio de cartilha virtual com objetivo de orientar e informar o passo a passo a ser adotado pela vítima no âmbito acadêmico e externo. Para os novos alunos, o tema vai ser colocado logo na semana de acolhimento, para que eles tomem conhecimento do assunto, recebam orientação e saibam como proceder se surgir alguma ocorrência. A UFS também se compromete em realizar campanhas de sensibilização com cartazes, panfletos e divulgação na rádio UFS.

Acolhimento

Para fortalecer o processo de acolhimento, orientação e encaminhamento, a Ouvidoria da universidade contará com equipe interdisciplinar formada por psicólogo, assistente social, pedagogo e advogado.

“A UFS foi a primeira instituição de ensino em Sergipe a adotar providências efetivas em decorrência das audiências públicas que realizamos no mês de maio”, ressalta a procuradora regional dos direitos do cidadão, Martha Figueiredo. “Esperamos que as demais instituições de ensino também se movam nesse sentido”, completa.

As informações são do MPF

Você pode querer ler também