ARACAJU/SE, 22 de julho de 2024 , 15:01:47

logoajn1

LUXO: DA CESTA BÁSICA AO JK IGUATEMI

 

Você sabia que a marca brasileira Havaianas inventou o chinelo de dedo de borracha? Sim!
Com patente e tudo!

Lançadas em 1962 e inspiradas nas sandálias Zori, modelo japonês feito de palha de arroz,
as Havaianas evoluíram de um simples chinelo para se tornar uma paixão nacional. As
sandálias eram tão fundamentais na vida do brasileiro que, na década de 80, foram
inseridas como um dos itens da cesta básica, junto ao feijão e arroz.
Embora o design fosse de origem oriental, o nome da marca foi inspirado no Havaí,
trazendo a ideia de ser usada em nosso país de clima quente, deixando os pés
descobertos. Mas o plus está na tecnologia, que não deforma com o uso. O logotipo e a
sola de borracha texturizada tornam a marca reconhecida em qualquer lugar. Esse
reconhecimento é fruto de décadas de inovação, qualidade e marketing eficaz, o que
chamamos no branding de equity. Quando pensamos em Havaianas, logo vem à mente
conforto e estilo. E essa fama não é só aqui no Brasil; é um presente perfeito para
impressionar um gringo!
Ano a ano, a marca sempre se manteve relevante. Desde seu surgimento, os chinelos
foram fabricados em apenas um modelo: branco e azul. Mas, por um erro de fabricação,
abriu margem para outra opção, na cor verde. O povo amou e, logo, vieram novas opções.
NECESSIDADE DE REPOSICIONAMENTO
Durante quase trinta anos, as Havaianas eram vistas como sandálias populares,
frequentemente vendidas em mercados de bairro e associadas a uma classe menos
favorecida. Com a concorrência dos chinelos de PVC, como os modelos da Rider, da
Grendene, a marca precisou se reposicionar.
Em 1994, lançou as Havaianas TOP, com cores vibrantes e um design mais elevado no
calcanhar, apelando para um público de classe mais alta. O investimento em publicidade
com celebridades transformou as Havaianas em um objeto de desejo, com 300 mil unidades
vendidas no primeiro ano. A distribuição também foi aprimorada, com displays valorizando
os produtos e uma estratégia focada em nichos de mercado.
TODO MUNDO USA
Nos anos 2000, as Havaianas começaram a ser vistas nos pés de celebridades
internacionais. Viraram um item de moda no desfile de Jean Paul Gaultier, famoso estilista
francês. Depois disso, a marca passou a lançar colaborações e fazer parcerias com
grandes nomes mundiais.
Semana passada, surgiu a colaboração com a Dolce & Gabbana. Conhecida por seu estilo
extravagante e alta moda, a marca italiana é sinônimo de luxo mundial. No Brasil, é
frequentemente associada a peças de alto valor e design exclusivo. Essa parceria resultou
em uma coleção de sandálias que combina o estilo descontraído brasileiro com o luxo
italiano, criando um produto que representa o melhor dos dois mundos.

No ápice da sofisticação, as sandálias da coleção Havaianas e Dolce & Gabbana custam
R$ 350 e são limitadas a duas unidades por CPF. O valor está bem acima do que estamos
acostumados, mas as filas quilométricas mostram que os fãs estão dispostos a pagar por
essa exclusividade e status.
A colaboração entre marcas mostra que combinar o inesperado para conquistar novos
mercados não cai de moda. A marca Havaianas, que sempre foi um símbolo de praticidade
e estilo, agora se destaca no mercado de luxo. Já a Dolce & Gabbana amplia seu público,
alcançando mais diversidade.
A evolução das Havaianas vai de um item básico da cesta familiar para um símbolo de luxo
e ilustra como ela se adapta e se reinventa para permanecer relevante. O chinelo que um
dia foi um símbolo de simplicidade agora é um ícone de estilo e exclusividade.