ARACAJU/SE, 3 de março de 2024 , 19:48:19

logoajn1

Ações do Projeto Rondon em Sergipe impactaram mais de 35 mil pessoas

 

Foram encerradas no último final de semana as atividades da Operação Mangabeiras, uma das atividades do Projeto Rondon. Ao todo, mais de 35 mil moradores de 12 cidades do interior sergipano foram impactados e beneficiados pelas oficinas e atividades desenvolvidas por 252 estudantes e professores de 24 faculdades e universidades de todo o país. A operação foi promovida pelo Ministério da Defesa, através das Forças Armadas, e teve a participação de outras instituições, como o Governo de Sergipe e as prefeituras de Areia Branca, Campo do Brito, Cedro de São João, Cumbe, Divina Pastora, Frei Paulo, Graccho Cardoso, Itabi, Malhada dos Bois, Moita Bonita, São Francisco e Tomar do Geru.

 

As atividades se concentraram nas comunidades rurais de cada município, formando multiplicadores locais que repassarão o conhecimento adquirido para outros moradores. “Nós acreditamos que a educação é a chave para o desenvolvimento das comunidades e queremos contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas que vivem no campo, abraçando o Projeto Rondon para colaborar com o desenvolvimento social do país”, destacou o professor Ronaldo Linhares, pró-reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade Tiradentes (Unit), que completa agora a 11 participações em operações do Projeto Rondon desde a sua retomada, em 2005.

 

“A gente já tem um parâmetro acima de 35% da população somada dos 12 municípios onde nós atuamos, que foi atingida ou abrangida pelo Projeto Rondon. Sem dúvida nenhuma, a missão foi cumprida com êxito total”, comemora o general William Georges Abrahão, diretor de Projetos Sociais do Ministério da Defesa, que também acompanhou toda a operação.

 

Uma das cidades visitadas foi Divina Pastora, na região do Vale do Cotinguiba, que recebeu oficinas ministradas por estudantes e professores da Unit e da Universidade do Vale do Taquari (Univates), em Lajeado (RS). Entre elas, destacou-se uma ação de prevenção contra as Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), em conjunto com o Programa Estadual de IST/Aids da Secretaria de Estado da Saúde (SES), e outra de informações e orientações sobre a higiene bucal, com o apoio de um “escovódromo” cedido pelo Serviço Social do Comércio (Sesc/SE).

 

“A participação dos nossos alunos da Unit se destaca com competência na realização das oficinas propostas para o município. Estávamos preparados para atender muito mais, porém toda a equipe fez busca ativa e conseguiu satisfazer a uma parte significativa da população alvo. E tivemos que superar alguns obstáculos, mas tudo isso não tirou o brilho do nosso trabalho, que conseguimos concluir com sucesso. Concluo com a sensação de dever cumprido e com aquele gostinho de quero mais”, frisa a professora Ana Célia Goes Melo, do curso de Medicina, que coordenou a equipe da Unit e participou pela oitava vez do Projeto Rondon.

 

A Unit também atuou com outra equipe, que fizeram a assessoria de comunicação da Operação Mangabeiras e a produção de conteúdo das redes sociais e plataformas de comunicação do projeto. Ao longo de 18 dias, eles tiveram como base o quartel do 28º Batalhão de Caçadores (28º BC), em Aracaju, que foi o ponto de apoio para toda a operação, e percorreram todos os municípios para fazer a cobertura das atividades. “Foi desafiador também, gerenciar todo o processo de deslocamento, alimentação da equipe nos municípios e, principalmente, todo o processo de criação de conteúdo e cobertura do evento. Saio do Projeto Rondon com muitas amigas e amigos. Sempre há o que melhorar, mas o saldo foi extremamente positivo”, afirma a coordenadora Jaqueline Neves Moreira, professora dos cursos de Jornalismo e Publicidade.

 

Aprendizados

 

Para os estudantes que atuaram como “rondonistas”, a experiência também foi muito rica em aprendizados e em histórias que serão guardadas para toda a vida. “Empatia, respeito e amor ao próximo. Estar num curso da área da saúde e poder ter vivenciado o Projeto Rondon foi de extrema importância para a finalização dessa etapa em minha vida. Ouvir as pessoas, sentir o calor humano e saber quais necessidades do povo você pode mudar através do curso de formação que escolhi para vida foi transformador”, afirma Denilson dos Santos Gomes, do 10º período de Odontologia, que atuou com a equipe da Unit em Divina Pastora.

 

“Mesmo não estando tão presente nas oficinas, pude ver como os rondonistas de outros grupos se empenharam para poder levar a alegria e conforto para as comunidades, e o que me deixou mais feliz foi poder divulgar isso para o público, os incentivando de alguma forma a fazer o mesmo. Lá eu pude ver o exercício, abraçar a causa e ajudar de todas as formas, como sempre fizeram, com o exemplo do projeto do carro pipa, que abastece muitas famílias que sofrem com a seca. O Projeto Rondon me mostrou que não só ensinamos, mas também aprendemos com tudo que ocorre e de como levaremos esses ensinamentos para toda vida para nos tornarmos pessoas melhores”, completa Vitória Laís Floriano da Silva, do 7° período de Design Gráfico.

 

Você pode querer ler também