ARACAJU/SE, 18 de junho de 2024 , 0:15:45

logoajn1

BB oferece linhas de crédito para pagamento do 13º salário

 

Da redação, AJN1

Já estão disponíveis nas agências do Banco do Brasil as linha de crédito voltadas o 13º. Um dos diferenciais deste serviço é que a cada parcela paga em dia, é devolvido ao empresário parte dos juros. “Trabalhamos com taxas a partir de 1,5%. Uma grande vantagem é o bônus parcela em dia. Para o empresário que contrata uma operação de capital de giro na linha de 13% ou em outras linhas também, pagando em dia o banco devolve 25% do valor dos juros pagos. O que é um grande diferencial de mercado”, destacou a superintendente do BB em Sergipe, Eliane Gascon, em entrevista ao Portal AJN1 e a Rádio Jornal AM.

Segundo a superintendente do BB, a economia brasileira já dá sinais de recuperação e crescimento e existe a expectativa de uma nova redução na taxa Selic prevista de 0,75%, que deve ser anunciada pelo Banco Central. “Ao empresário que agora no final do ano estiver com dívida do 13º oriento a procurar uma agência do BB e lembrar que tem o bônus parcela em dia”, lembrou a superintendente do BB.

Pensando em atender empresários do setor de varejo, o BB montou na agência do Siqueira Campos toda estrutura de atendimento a pessoa jurídica que atua neste setor. “Somos o único banco no estado que montou estrutura para pessoa jurídica no varejo. Atendemos quem tem um faturamento de R$ 1 a 25 milhões. É um grande avanço para o estado. É um ambiente totalmente especializado, trata apenas de negócios de pessoa jurídica. É um grande avanço para o estado”, disse Eliane Gascon, acrescentando que o atendimento é presencial, mas especializado com consultoria, onde se trabalha mais a cadeia produtiva.

Apesar dos sinais de melhora, a superintendente do BB lembrou que Sergipe foi um dos estados que mais sofreu com a retração do mercado, principalmente por conta da queda nos royalties de petróleo. “A repercussão é grande. Diminui a arrecadação e os entes públicos têm mais dificuldades de fazer investimentos no estado. Dá para dizer que Sergipe seja um dos que mais sofreu nos últimos três anos”, revelou Eliane Gascon, ressaltando que há sinais positivos com a queda na inadimplência e o incremento na busca pelos crédito.

“Este é um momento oportuno para que o empresário se prepare e fique apto ao crédito. Nos últimos dois anos, empresários sofreram e se ele ainda tem algum tipo de restrição bancária no BB ou onde no banco é correntista, é importante que se prepare, regularize e procure solução para suas dívidas, pois a economia voltando a crescer, ele esteja preparado para que possa estocar mais, ter um capital de giro, comprar novos equipamentos”, explicou a superintendente do BB, lembrando que o banco tem um portal de solução de dívidas pela internet, onde se pode consultar, simular, e não ficando claro, o correntista pode procurar uma agência para negociar de uma forma diferenciada.

Agronegócio

De tudo que foi emprestado no mercado do agronegócio no país em 2017, 60% foi oriundo do Banco do Brasil, e em Sergipe este patamar chegar a 56%. “Nós somos o grande fomentador da economia do agronegócio”, pontuou Eliane Gascon, salientando que o banco tem linhas de crédito para o setor, a exemplo do Pronaf, que tem taxa juros de 2% ao ano, e para o médio produtor com taxas que vão até 7,5%. “O agronegócio é muito bem atendido pelo Banco do Brasil. Qualquer agência do estado, inclusive da capital, está preparada para atender ao produtor rural”.

A superintendente do BB lembrou ainda que produtores rurais com operações contratadas até o dia 31 de dezembro de 2011, na área de atuação da Sudene, tem o dia 29 de dezembo de 2017 para liquidar as dívidas com descontos que variam entre 20% a 95%. A iniciativa atende a Lei 13.340, que autoriza o recálculo dessas dívidas por encargos de normalidade e a concessão de desconto para liquidação nos estados do Nordeste e das regiões norte do Espírito Santo e de Minas Gerais, além dos Vales do Mucuri e Jequitinhonha.

“Quando lançamos em maio e fomos divulgar em campo, entendemos que estávamos em pleno custeio da safra e entre custear a safra e buscar o pagamento da dívida, o custeio seria priorizado. Agora no mês de novembro começa a venda da safra, então é o momento do produtor rural buscar a solução para operações contratadas até dezembro de 2011, pois a partir de janeiro quem não pagou a dívida passa a ter inscrição no Cadin e ter restrições de crédito”, lembrou Eliane Gascon.

Você pode querer ler também