ARACAJU/SE, 16 de abril de 2024 , 2:07:26

logoajn1

Bloqueio de contas continua e Sintrase entrará com ação coletiva

Da redação, AJN1

 

Mesmo sem ser notificados pela Justiça sobre a ilegalidade da greve, os servidores da administração geral do Estado retornaram hoje (5) aos trabalhos. Mas o retorno não garantiu o desbloqueio dos salários dos cerca de 1200 funcionários, o que não agradou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nos Serviços Públicos do Estado de Sergipe (Sintrase), Diego Araújo, que já entrou com um mandado de segurança para garantir a liberação dos proventos, além de pedido de dano moral coletivo.

 

“Encerramos a greve antes mesmo de sermos notificados pela Justiça, porque muitos servidores estavam sendo prejudicados com o corte salarial que foi feito arbitrariamente pelo Governo. Não fomos notificados da ilegalidade, então oficialmente, não estávamos descumprindo determinação judicial. Não sabemos sequer o critério que o Governo utilizou para bloquear essas contas, por isso, já entramos com um mandado de segurança para garantir o desbloqueio das contas e estamos pedindo dano moral coletivo para os servidores que tiveram seus salários bloqueados arbitrariamente”, destaca Diego.

 

Greves

 

A classe entrou em greve pela primeira vez este ano no mês de março passando dois meses de braços cruzados, retomando às atividades no início de maio. No dia 08 de junho a categoria retomou a greve alegando ter recebido o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) com valores defasados (correspondentes a 2014). O poder judiciário decretou a ilegalidade da greve do Sintrase no dia 1º. A decisão foi do desembargador Edson Ulisses de Melo que reconhece “a abusividade da greve em tela e, por conseguinte, DEFIRO a tutela antecipada para determinar que seja suspenso imediatamente o movimento paredista”.

 

Seed

 

A Secretaria de Estado da Educação informou que está avaliando a situação e, assim que ocorrera volta aos trabalhos em sua totalidade, haverá o desbloqueio.

 

Você pode querer ler também