Brasil: Médica exclui redes sociais da filha e recebe ataques e elogios

Médica exclui redes sociais da filha e recebe uma torrente tanto de ataques quanto de elogios: o caso, ocorrido no Brasil, tem despertado um relevante debate sobre os efeitos da internet na vida dos assim chamados “influenciadores digitais” e dos seus seguidores – assim como sobre as responsabilidades de mães e pais a esse respeito.

Fernanda Rocha Kanner publicou em seu próprio Instagram o porquê da ausência da filha, Nina Rios, de 14 anos, tanto dessa rede quanto do TikTok. Nina tinha quase 2 milhões de seguidores, o que explica, em parte, as reações de “revolta” de muitos adolescentes em paralelo aos aplausos de muitos pais.

Eis o que Fernanda escreveu em seu perfil: “Turminha teen, eu vou escrever aqui porque recebi muitos directs de seguidores da Nina querendo saber o que aconteceu por ela ter sumido. Decidi apagar a conta do Tiktok e do Instagram dela. Chata, eu sei, mas nossa função como mãe não é ser amiguinha de vocês e isso vocês só vão entender em retrospectiva. Papo de tia. O carinho que vocês têm por ela é a coisa mais fofa, mas eu não acho saudável nem para um adulto e muito menos para uma adolescente basear referências de autoconhecimento em feedback virtual. Isso é ilusão e ilusão mete uma neblina danada na estrada do se encontrar. Entre suas mídias eram quase 2 milhões de seguidores, dezenas de fã-clubes, tudo muito doce, mas também prejudicial para qualquer adolescente em processo de descoberta e busca pela individualidade”.

A mãe prosseguiu: “Eu não quero que ela cresça acreditando que é esse personagem. Não quero ela divulgando roupas inflamáveis de poliéster made in China. Não quero minha filha brilhante se prestando a dancinhas diárias como um babuíno treinado. Acho divertido.. e mega insuficiente. Triste geração em que isso justifica fama. Li outro dia que a gente tem que voltar a ter vergonha de ser burro e é bem por aí. Saudade de quando precisava ter talento em alguma coisa para se destacar. Nascemos com vários dons que nos fazem únicos, mas quando a gente copy paste a manada eles se diluem no processo e a gente cresce sendo só mais um na multidão. Não quero que ela se emocione com biscoitos (assim que fala?) e elogios. Nem que se abale com críticas de quem não conhece. Opiniões são só reflexos de quem está oferecendo e não de quem recebe. Você me acha linda pq você é linda ou está feliz. Você me acha feia pq você é feia ou teve um dia ruim. Eu não tenho nada a ver com isso”.

Para finalizar, Fernanda informou: “A fã número um dela sou eu e ela continuará dando as caras por aqui, se quiser. Quando ela tiver conteúdo interessante para dividir ela pode voltar a ter conta. Conforme os planos, ela vai pra Suíça junto com big bro no segundo semestre continuar os estudos por lá. Pular de para-quedas, estudar biologia na floresta, salvar umas vacas nos Alpes. A vida só presta quando se é feliz offline primeiro. Bjs da tia Fê”.

Reação

Após a repercussão desse texto, Fernanda publicou uma atualização: “Pras crianças mal-educadas fãs da Nina que seguem mandando direct me xingando, desejo que seus pais apresentem vocês ao castigo e limite, coisas que vocês nunca viram na vida. Vocês me dão certeza de ter tomado a decisão certa em tirá-la desse mundinho, vulgar terra de ninguém. Para as que falam que eu destruí a carreira dela.. Deus queira que vocês tenham razão. Amém, amém. Pasmem, mas ‘occupation: tiktoker’ não é o sonho de currículo da maioria dos pais. Vale aquela frase batida de que ser famoso em rede social é a mesma coisa que ser rico no banco imobiliário. Ser famoso a qualquer custo é talvez o sonho mais triste do qual já ouvi falar. Mirem um pouquinho mais alto, generation cringe”.

Fonte: Aleteia