ARACAJU/SE, 18 de junho de 2024 , 0:09:04

logoajn1

Carnes nas feiras livres de Aracaju são fiscalizadas

Com o objetivo de coibir a venda de carnes em desacordo com a legislação, a Coordenadoria de Vigilância Sanitária de Aracaju (Covisa) iniciou um trabalho de fiscalização nas feiras livres da capital. Nesta primeira etapa, foram vistoriados 11 locais e detectadas várias irregularidades, como a manipulação do produto de forma inadequada e sem higiene, passando pelo descarte incorreto de resíduos, até a exposição do produto em temperatura ambiente, o que é propício à contaminação.

O diagnóstico da situação já foi encaminhado para a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), órgão que administra as feiras livres. “A fiscalização encontrou situações absurdas, bancas enferrujadas, animais próximos dos feirantes, uma total falta de higiene. Nosso intuito foi fazer um levantamento do funcionamento dessas feiras e a forma como os produtos são comercializados. Fizemos essa inspeção inicial e já confeccionamos um relatório. No começo de dezembro nós iremos concluir este trabalho para que as medidas cabíveis sejam tomadas”, disse o gerente de Alimentos e Serviços Veterinários da Covisa, Juliano Pereira.

A fiscalização envolve vários órgãos, como Emsurb, que regulamenta o uso do espaço público; Emdagro, que fiscaliza o transporte da carne; Ministério da Agricultura; e o Ministério Público.

“Sem passar pela inspeção de um médico veterinário, essa carne pode ser proveniente de um animal doente, e ele pode ter morrido de alguma patologia, o que inviabilizaria a sua comercialização. Entre doenças mais comuns que podem ser transmitidas pelo consumo de carne estragada estão a tuberculose, brucelose, teníase e cisticercose, que muitas vezes só são descobertas anos depois, quando já é tarde demais”, alerta Pereira.

Com informações da Covisa

Você pode querer ler também