ARACAJU/SE, 26 de fevereiro de 2024 , 22:00:31

logoajn1

Com regularidade de chuva, maior parte do território de Sergipe não apresenta seca

Da redação, Joangelo Custódio

A regularidade de chuva em todas as regiões do estado nos últimos quatro meses tem feito desse inverno um dos mais “generosos”. Em agosto, segundo estudo do Monitor de Secas, instrumento de acompanhamento regular e periódico da situação da seca no Nordeste, coordenado pela Agência Nacional de Águas (ANA), a maior parte do território de Sergipe não apresentou condição de seca, o que se refletiu na saúde da cobertura vegetal e dos corpos d’água.

Conforme a análise, em Sergipe, os maiores volumes de chuvas em agosto se concentraram na faixa Centro-Leste do Estado, favorecendo em uma melhora dos níveis de seca. Com isso, baseado nas chuvas ocorridas dos últimos meses, prevaleceu somente a condição de seca fraca no Agreste sergipano, e seca moderada no extremo Oeste e Noroeste do Estado. Os impactos, segundo o estudo, são de longo prazo.

Essas condições climáticas são ratificadas por Overland Amaral, coordenador da Sala de Situação, Tempo e Clima, da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade. “Esse é o quadro que se tem no pós-chuva, sendo que essas questões são relativas ao tempo. No real e no absoluto, não está existindo seca, porque houve chuva acima da média”, afirma.

O meteorologista diz ainda que, atualmente, há um quadro moderado com tendência de prenúncio de chuvas convectiva, mais especificamente no final de setembro e 1º de outubro, já nos primeiros dias de primavera, quando haverá passagem de ondas de instabilidades, que devem complementar o quadro.

Overland esclarece que, de fato, existe uma normalidade climática, o qual acontece porque o El Niño – fenômeno atmosférico-oceânico que altera o clima regional e global – não está ativo. “Por isso, estamos num estado de normalidade, um ciclo mais positivo do clima para as condições de chuva”, complementa. 

Classificação

Sergipe está dividido atualmente em três níveis de estiagem: toda a faixa Litorânea, pintada na cor branca, não apresenta situação de seca; na faixa do Agreste, de cor amarela, a denominação é de “seca fraca”, e em toda faixa Oeste, de cor bege, a seca é intitulada de “moderada”.

Monitor de Secas

O objetivo do Monitor é integrar o conhecimento técnico e científico já existente em diferentes instituições estaduais e federais e estabelecer diferentes graus de severidades da estiagem, permitindo acompanhar a evolução temporal e espacial. As informações são atualizadas mensalmente. O modelo foi baseado no Monitor de Secas dos Estados Unidos, desenvolvido pelo Centro Nacional de Mitigação de Secas dos EUA (NDMC).

Você pode querer ler também