Desembargador Manuel Nabuco D’Ávila morre aos 82 anos

Da redação, AJN1

O desembargador aposentado Manuel Pascoal Nabuco D’Ávila morreu no início da tarde desta segunda-feira (18), em Salvador (BA). Ele foi presidente do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) no biênio 2003-2005 e tinha 82 anos. Ainda não se sabe a causa da morte.

O velório será realizado no Cemitério Colina da Saudade, em Aracaju, a partir das 23h de hoje, mesmo local onde ocorrerá o sepultamento, previsto para amanhã, às 17h.

Em nota, o TJ-SE lamenta o falecimento do ex-magistrado.

Biografia

Filho de João Nabuco D’Ávila e Maria de Lourdes Nabuco D’Ávila, nasceu em Riachuelo/SE, em 17 de agosto de 1937. Passou a morar em Aracaju em 1948, onde foi aluno do Colégio Tobias Barreto, em regime de internato. Formou-se na Faculdade de Direito de Sergipe em 1961. Casou-se em 1966 com Maria Isabel Carvalho, neta do Desembargador João Baptista Carvalho, primeiro Presidente do TJSE.

Antes de ingressar no Ministério Público, como Promotor de Justiça, em 1980, Pascoal Nabuco foi Prefeito de Estância, onde não concluiu o mandato por conta do regime militar. Ascendeu ao cargo de Desembargador do Tribunal de Justiça de Sergipe em 5 de agosto de 1996. Foi Corregedor-Geral de Justiça no biênio 1999-2001, quando criou a Vara de Penas Alternativas e a Central de Mandados; e Presidente do TRE/SE no biênio 2001-2003.

Assumiu a Presidência do TJSE no biênio 2003-2005, quando reformou o antigo prédio do Tribunal de Justiça, o Palácio Silvio Romero, na Praça Olímpio Campos, criando no local o Memorial do Judiciário; construiu o Arquivo Judiciário, instalou os Fóruns Integrados e realizou um grande concurso para o TJSE. Aposentou-se em agosto de 2007.

No dia 6 de junho de 2018, abriu as portas da sua residência e concedeu entrevista, por mais de duas horas, ao Vivas Memórias, Projeto do TJSE que tem como objetivo preservar a história de pessoas que contribuíram para o Judiciário e para a sociedade sergipana.

Matéria atualizada às 18h para acréscimo de informação.