Forró e Sertanejo marcam a 5ª noite do Forró Caju

A quinta noite do Forró Caju 2016 seguiu num ritmo animado nesta quarta-feira (22). O maior evento do estado reuniu grandes nomes do forró, mesclando o tradicional com o atual e sertanejo. A mistura agradou em cheio do público que lotou a arena montada na praça de eventos dos Mercados Centrais da capital.

 

A primeira a se apresentar foi a sergipana Joseany Dy Josa. Nos palcos Gonzagão e Dominguinhos, passaram Falamansa, Mayara e Maraísa, Mano Valter e as bandas Forró Brasil, Cintura Fina e Forró Ativado. A banda Falamansa levou o público ao delírio que com um show inesquecível com tradicional forró Pé de Serra.

 

“Queremos agradecer ao prefeito João Alves por essa oportunidade, pois o Forró Caju já faz parte da nossa história e nós temos sempre a expectativa de trazer alegria e o bem para as pessoas de uma forma que todos esperam isso da gente também. Trazer a zabumba, sanfona e triângulo tem um respeito muito grande no sentido da gente levar boas energias para o público”, disse Tato, vocalista da banda.

 

Muito aguardada pelos aracajuanos, as irmãs Mayara e Maraísa subiram ao palco e não deixou ninguém parado. “Primeira vez e sabemos que será de muitas no Forró Caju. A cidade nos acolheu muito bem e é recíproco. O show foi inesquecível e temos certeza que agradamos o público”, revelou as cantoras. 

 

Aprovação

 

Curtindo a festa, o casal Robson Bispo e Simone Ferreira frisou que é um momento muito esperado. “As bandas estão ótimas. O Forró Caju é um movimento cultural de reconhecimento no mundo todo e, para quem é nordestino, espera o ano todo por esse momento, com estrutura boa, organização e bandas tudo perfeito”, conta.

 

Para o contador Irlan Afro o Forró Caju é uma festa que agrada a todos. "A estrutura está excelente e vim prestigiar a banda Cintura Fina, que eu amo. Sou da Bahia, mas moro aqui e o Forró Caju é uma das festas que gosto muito”, ressaltou.

 

Durante os 12 dias de Forró Caju serão mais de 300 horas de música, distribuídas entre os três palcos, com 250 shows, sendo 175 sergipanos. 

 

Fonte: PMA