ARACAJU/SE, 22 de junho de 2024 , 0:54:26

logoajn1

‘Geração ansiosa’: transtornos mentais em crianças grudadas no celular aumentam

 

Crianças e adolescentes do mundo todo estão em perigo. É o que diz o livro “A geração ansiosa”, do psicólogo social Jonathan Haidt, que estudou durante décadas o colapso da saúde mental entre os jovens, principalmente desde a criação dos smartphones.

“O que aconteceu é o que eu chamo de ‘grande reprogramação da infância’. Em 2010, os adolescentes tinham um telefone apenas para fazer ligações, se encontravam mais com outras crianças e se divertiam mais. Mas em 2015, tudo mudou. Eles trocaram o telefone celular comum por um smartphone com câmera e internet. E as crianças passaram a ter uma infância no celular com efeitos na vida social e no desenvolvimento cognitivo”.

Haidt lista erros cometidos pelos adultos.

“Em primeiro lugar, mantivemos nossos filhos superprotegidos na vida real. Ao mesmo tempo, na vida online, os jovens ficaram totalmente desprotegidos. Os pedófilos, por exemplo, migraram para as redes sociais e conseguem entrar em contato com as crianças sem que os pais desconfiem”, enumera.

“Quando seu filho é pequeno e você quer um pouco de sossego, acaba dando ao seu filho um telefone ou um tablet. Agora, vemos as consequências disso. Uma geração que está muito mais ansiosa e deprimida. Com mais casos de automutilação e suicídios”, afirma o autor.

Heidt afirma que celular demais também atrapalha o desenvolvimento cognitivo. O psicólogo tem relatos de jovens que mesmo quando percebem que estão ansiosos por causa das redes, não conseguem sair desse círculo vicioso.

Ele propõe quatro ações urgentes:

  • Nada de smartphones antes dos 14 anos
  • Não ter redes sociais antes dos 16 anos
  • Escolas têm que ser espaços completamente livres de celulares
  • Substituir a dependência do celular por uma infância mais independente, com mais brincadeiras e riscos
  • Ações urgente propostas por Jonathan Haidt, autor de ‘A geração ansiosa’ — Foto: Reprodução/Fantástico
  • Ações urgente propostas por Jonathan Haidt, autor de ‘A geração ansiosa’ — Foto: Reprodução/Fantástico

Para o pediatra Daniel Becker, essas mudanças são necessárias:

“A gente tem já movimentações de dados que mostram que há um aumento de transtornos psíquicos, transtornos emocionais na infância e na adolescência nos últimos anos. A reprogramação cerebral deve ser feita na vida, e não numa tela quadrada, onde ele vai estar hipnotizado, recebendo passivamente conteúdos. Então, é desproteger um pouquinho na vida real, e proteger mais e supervisionar na vida online.”

Fonte: G1/Fantástico

Você pode querer ler também