ARACAJU/SE, 25 de junho de 2024 , 3:09:52

logoajn1

Greve dos Correios em Sergipe tem adesão de 560 empregados

 

Da redação, Joângelo Custódio

Nesta quarta-feira (20), os trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ou, simplesmente, Correios — responsável pela execução do sistema de envio e entrega de correspondências em todo o Brasil —, anunciaram greve por tempo indeterminado em alguns Estados. Em Sergipe, do total de 800 empregados, 560 cruzaram os braços, obedecendo à lei 7783/89, que estabelece o percentual de 30% dos servidores em atividade. Em todo o Brasil, são mais de 108 mil funcionários.

A AJN1 conversou com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios em Sergipe, Sérgio Lima. De acordo com ele, a categoria decidiu pela paralisação durante assembleia realizada ontem (19). Em síntese, afirma ele, a classe é veementemente contrária às políticas públicas deflagradas pelo presidente da República, Michel Temer (PMDB), principalmente quando os direitos da categoria são afetados, a exemplo do corte do plano de saúde, a ausência de reajuste anual do salário, que está paralítico há anos. Além disso, os trabalhadores são contra a privatização da Empresa, cotada para ir a leilão ainda este ano.

“Em Sergipe, somos aproximadamente 800 trabalhadores. Queremos informar à sociedade que vamos manter os 30% em atividade em todo o estado, visando cumprir o que determina a lei. Nós estamos lutando pela manutenção de todos os direitos já conquistados, a exemplo do plano de saúde, o reajuste da inflação sobre os nossos salários. Nós também protestamos contra o governo comandado por Temer, que quer privatizar a Empresa. A greve é por tempo indeterminado. Acreditamos que, em breve, todos os Estados façam adesão ao movimento”, informou o sindicalista com exclusividade ao AJN1.

Distribuição

Segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), a paralisação está concentrada principalmente na área de distribuição da empresa, o que pode atrasar entregas e prejudicar os consumidores que dependem dos serviços da companhia. Entretanto, o Fentect informou que a greve não vai afetar os serviços de atendimento.

“Ressalta-se que a categoria de trabalhadores dos Correios é a que recebe os menores salários entre as empresas públicas e estatais, e a empresa optou nos últimos anos a manter uma cultura de benefícios em troca de reajustes salariais dignos aos empregados. Até o momento, todas as agências, inclusive nas regiões que aderiram ao movimento paredista, estão abertas e todos os serviços estão disponíveis, mas com número de funcionários reduzidos”, afirmou a Fentect, em nota.

Veja as localidades que decretaram greve:

Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Brasília (DF), Campinas (SP), Ceará, Espírito Santo, Goiás, Juiz de Fora (MG), Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Ribeirão Preto (SP), Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Maria (RS), Santos (SP), São José do Rio Preto (SP), Sergipe, Santa Catarina, Uberaba (MG) e Vale do Paraíba (SP).

 

Você pode querer ler também