ARACAJU/SE, 15 de abril de 2024 , 9:11:58

logoajn1

Intolerância à lactose: diagnóstico e mudanças na alimentação

 

A pessoa é considerada intolerante quando há uma ausência total ou parcial da enzima lactase, responsável por quebrar adequadamente a lactose, também conhecida como “açúcar” do leite. Esse problema pode surgir por conta de condição congênita, doenças intestinais ou idade avançada. Os sintomas mais comuns são náuseas, diarreia e dores abdominais.

 

“No caso de intolerância à lactose, o paciente deve evitar ou reduzir o consumo dos seguintes alimentos: leite de vaca, queijo, requeijão, manteiga, pão e qualquer outro derivado do leite. Dependendo da intensidade dos sintomas, eles devem ser totalmente retirados do cardápio alimentar”, explica Jussara Pessôa, nutricionista e coordenadora do curso de Nutrição do UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau Recife, campus Boa Viagem.

 

Para evitar a perda nutricional causada pela restrição, é indicado que as pessoas comprem produtos “zero” lactose ou substituam o leite de vaca pelo de soja, os pães por tapiocas e a manteiga por geleia, por exemplo. O correto é que essas mudanças sejam graduais, permitindo que o paciente se acostume com os novos hábitos.

 

“Junto a essas mudanças, a pessoa pode fazer uso do suplemente enzimático, que assume o papel da lactase. Ele deve ser tomado antes da refeição para diminuir ou evitar os sintomas. O efeito varia bastante, dependendo do organismo e da quantidade de laticínio e derivados ingeridos”, adiciona Jussara.

 

A nutricionista ainda ressalta que há uma diferença entre intolerância e alergia alimentar, também conhecida como APLV. “Enquanto uma é causada pela falta da lactase e excesso de lactose no corpo, a outra ocorre devido à proteína do leite. A pessoa sofre uma reação inflamatória, podendo afetar até o sistema respiratório. Portanto, é importante buscar um profissional para receber o diagnóstico e tratamento corretos”.

Você pode querer ler também