Junho termina com 85 vítimas de queimaduras no Huse

Nos 30 dias de junho o Pronto Socorro do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) atendeu 85 vítimas de queimaduras. Desse total, 25 ficaram internados para tratamento e uma delas veio a óbito. Foram 45 vítimas somente por fogos de artifício. Ao avaliar a estatística, a superintendente do Huse, Lycia Diniz, considerou preocupantes os dados.

 

Das 85 vítimas de queimaduras, 72 delas foram do sexo masculino e 13 do sexo feminino. Na noite do dia 23 de junho, ocorreram 22 atendimentos a queimados e, no dia 24, foram realizados 11. Já nas comemorações do São Pedro, o hospital recebeu 12 vítimas de queimaduras.

 

“Fizemos um alerta à população, explicamos da maneira mais fácil como se proteger quando fosse manusear fogueiras ou fogos e mesmo assim tivemos esses números preocupantes de vítimas queimadas", ressaltou a superintendente do Huse, Lycia Diniz. Ela acrescentou que as queimaduras deixam sequelas para a vida toda e foi registrado um número considerável de crianças e adolescentes que sofreram queimaduras por manusear fogos.

 

Segundo Lycia Diniz alguns casos ocorreram por descuido dos adultos, a exemplo de uma criança que acabou pegando e pisando em brasas. "Vamos reforças nossas campanhas para que no próximo ano possamos reduzir essas estatísticas”, afirmou a superintendente.

 

De acordo com o diretor técnico do Huse e cirurgião plástico, Ricardo Araújo, os plantões foram movimentados, mas contaram com estrutura satisfatória para o trabalho dos profissionais. “Tivemos um acréscimo significante no número de queimados, mas contamos com uma estrutura montada pela gestão que resultou na qualidade do atendimento. Muitos casos ficaram pelo interior e foram tratados no local. Ter a integração da rede hospitalar ajudou bastante”, afirmou.

 

O Huse é porta aberta e recebe um grande número de vítimas nesse período além da demanda diária, seja trazido pelo Samu ou deslocado por conta própria. A sala de procedimento no PS foi o local para o primeiro atendimento do paciente. Caso o paciente necessitasse de cuidados especiais, ele era encaminhado à Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ).

 

Em funcionamento 24 horas por dia, o serviço da UTQ é um dos poucos da região credenciados pelo Ministério da Saúde (MS) como referência nesse tipo de tratamento. A equipe multidisciplinar do setor é composta por cirurgiões plásticos, nutricionistas, enfermeiros, anestesiologistas, auxiliares de enfermagem, clínicos e pediatras. A estrutura da UTQ é formada por 14 leitos, sendo quatro pediátricos, duas semi intensivos e oito para adultos, além de um centro cirúrgico para realização de curativos e pequenos procedimentos.

 

Alguns casos chamam a atenção: muitas queimaduras na face, tórax e membros superiores, além das amputações. Para a gerente da UTQ, Elmara Salgado, dos 14 leitos existentes na unidade, nove estão ocupados por vítimas de queimaduras durante o mês junino.

 

“Temos alguns tipos de queimados mas nenhum em estado grave. Foram crianças que pisaram em brasas da fogueira, adulto que acendeu fogueira com combustível e teve os braços queimados, brincadeiras com fogos de grande teor explosivo causando perda de tecido, entre outros casos que chegaram aqui na unidade. Um tratamento doloroso e prolongado”, explicou.

 

*Com informações da Ascom SES