Sergipe perde João Alves Filho, um grande homem público, que muito contribuiu para o desenvolvimento do estado. Saiba mais

Parte de estrutura do Terminal do Centro desaba

 

Da redação AJN1

No final da manhã desta quarta-feira (26), parte da estrutura do terminal de integração de ônibus coletivo, localizado no Centro de Aracaju, desabou e por pouco ninguém se feriu. A armação, que praticamente veio ao chão, é o da “borboleta”, onde fica o cobrador, uma mescla de polipropileno [termoplástico] com ferragem.

A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), que gerencia o local, informou que os reparos emergenciais devem ser realizados ainda hoje e que a área foi isolada.

O desabamento já era enredo anunciado. O terminal do Centro, assim como os outros quatro espalhados pela capital [Dia, Maracaju, Atalaia e Mercado], está puído e abandonado pelo poder público municipal. Só para se ter uma ideia, a última reforma que ocorreu foi em 2001, de lá para cá, remendos e pinturas paliativas foram apresentadas à população e disfarçadas de solução.

Hoje, é fácil transitar pelos carcomidos terminais de Aracaju e constatar que as estruturas estão caindo aos pedaços. Banheiros indecentes, cadeiras quebradas, telhados que deveriam proteger da chuva e do sol, quebrados, plataformas de embarque e desembarque que colocam em risco a vida dos usuários. Uma verdadeira falta de respeito com a população que paga imposto.

“Eu sou usuária e queria respeito da prefeitura de Aracaju, que tem a obrigação de reformar os terminais de ônibus. Se caísse na cabeça de alguém, como seria?”, indagou a usuária Nadja Santos.

Opinião semelhante tem a estudante Acácia Silva. Ela, assim como milhares de estudantes, depende do transporte público para se deslocar e é inevitável transitar pelos obsoletos terminais. “Quando chove, todos os terminais molham os passageiros. Não tem lugar para sentar, é tudo no escuro, com mau cheiro, uma desgraça. Além da falta de segurança”, expôs ela.