ARACAJU/SE, 28 de fevereiro de 2024 , 9:32:54

logoajn1

PF deflagra segunda fase da Operação Narke

Da redação, AJN1

Um homem foi preso em flagrante durante a segunda fase da operação Narke, deflagrada nesta terça-feira (20), em Aracaju, pelas equipes da Polícia Federal. Durante a ação foram cumpridos mandados de busca expedidos pela 3ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Aracaju/SE. Foram apreendidos anabolizantes de origem estrangeira, embalagens vazias, rótulos de produtos de farmacêuticos de controle especial, um veículo e um artefato explosivo.

De acordo com informações da PF, a ação teve como foco levantar provas e desarticular um grupo criminoso envolvido na pratica de crimes de contrabando, tráfico de drogas, corrupção e falsificação de medicamentos. As investigações que resultaram na operação começaram em outubro do ano passado.

Nos levantamentos realizados, os investigadores chegaram a um suspeito que atuava na distribuição de anabolizantes em Sergipe e a outro que atuava na venda de drogas sintéticas em festas eletrônicas. De acordo com o que foi apurado, só em 2018 o grupo teria movimentado mais de R$ 200 mil.

Na primeira fase da Narke, que aconteceu no mês passado, os policiais apreenderam vasto material que, ao ser analisado, serviu de base para a decretação dos mandados de busca e apreensão. Na manhã de hoje, as equipes da PF estiveram em dois endereços em Aracaju. Em um deles, um homem acabou preso e na abordagem tentou destruir o aparelho celular, para impedir que os policiais tivessem acesso aos arquivos armazenados.

No entanto, a equipe da PF, além de comprovar a venda de produtos proibidos de origem estrangeira e sem registro na Anvisa, descobriram que ele também falsificava medicamentos, vendendo a substância ‘melatonina’ como ‘oxandrolona’. Os investigados na operação responderão pelos crimes de contrabando e falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais, tráfico de drogas, organização criminosa e lavagem de capitais, previstos no Código Penal Brasileiro.

*Com informações Ascom PF

Você pode querer ler também