ARACAJU/SE, 1 de março de 2024 , 17:11:02

logoajn1

Governos Federal e Estadual ainda não liberaram verbas para ajudar desabrigados

Da redação, AJN1

Há duas semanas, o município de Riachuelo, distante 29 quilômetros de Aracaju, era atingido por fortes chuvas que ocasionaram enchentes e obrigaram mais de 1800 pessoas a abandonar suas casas. Várias localidades da cidade ficaram devastadas e um caos foi instaurado, com dezenas de famílias ainda necessitando de donativos, principalmente de água potável. Diante da situação de calamidade, a ajuda mais e eficaz foi a do povo sergipano, que se sensibilizou e começou a enviar cestas básicas, roupas, dentre outros.

Os governos do estadual e federal foram eficazes no acompanhamento das equipes técnicas da Defesa Civil durante as enchentes, mas segundo o secretário de Juventude, Esporte, Lazer e Turismo do Município, Marcondes Hipólito, nenhuma ajuda financeira foi efetivada até o momento.

Marcondes explica que o governo federal, por meio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), reconheceu estado de calamidade e iria autorizar o repasse de R$600 mil para a aquisição de cestas básicas, colchões, água potável e produtos de higiene pessoal e de limpeza, mas esse montante foi reduzido para R$201 mil, ainda sem explicação ministerial.

“O texto do Ministério não está muito detalhado. Se for, de fato, esse valor de duzentos mil, a Prefeitura ficará frustrada, porque não tem condições de bancar isso sozinha. Essa situação pode causar outros problemas, como atrasar o salário dos servidores, porque vai ter que tirar do bolso. Com a ajuda de seiscentos mil, ficaria de bom tamanho. A gente não está confiando muito não no governo federal”, diz incrédulo.

Por outro lado, conta o secretário, o governo do estado não tem ajudado muito. “O Estado também não sinalizou nada, prometeu ajudar financeiramente, mas até agora nada. O governador Belivaldo Chagas disse, durante a visita ao município, que ia fazer um convênio com a Prefeitura para ajudar famílias e reestruturar a cidade, mas até agora não vimos iniciativa. O governo só doou 89 cestas básicas e 50 colchonetes, além de assistência da equipe técnica da Defesa Civil. A gente está recebendo apoio é do povo sergipano, que todo dia manda doações para Riachuelo”, reclama o gestor.

Marcondes Hipólito foi taxativo ao afirmar que as questões de ajuda humanitária devem ser imediatas. “A nossa prefeitura já doou mais de 1000 cestas básicas para as famílias, está com uma campanha ‘Adote uma família’ para doações, mas até quando vai perdurar isso?”, indaga, lembrando que das 1818 pessoas desabrigadas, apenas 15 famílias estão em casas custeadas por alugueis sociais, as demais já voltaram para suas casas. “Em abrigo não existe mais ninguém, mas muitas perderam tudo”.

O que dizem os governos

Até o fechamento desta matéria, a AJN1 não conseguiu contato com os governos federal e estadual para comentar o assunto. Tão logo consiga contato, a matéria será acrescida.

Você pode querer ler também