ARACAJU/SE, 19 de julho de 2024 , 13:09:26

logoajn1

Sergipe conclui 4ª etapa do plano de vigilância de influenza aviária e doença de Newcastle

 

A vigilância contínua é essencial para prevenir surtos de influenza aviária e doença de Newcastle, que podem ter impactos devastadores, tanto para a avicultura, quanto para a saúde pública. Sergipe já reconhecido internacionalmente como área livre da doença. o Governo do Estado finalizou a quarta etapa do Plano de Vigilância de Influenza Aviária e Doença de Newcastle. O projeto, conduzido pela Empresa de Desenvolvimento Agropecuário (Emdagro), vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri), envolveu a coleta de amostras biológicas de aves de subsistência, em diversos municípios selecionados pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA).

Durante essa fase, foram coletadas 110 amostras de traquéia, 110 de cloaca e 110 de soro sanguíneo de diversas aves, incluindo perus, marrecos, patos, gansos e galinhas caipiras. As coletas foram realizadas em nove municípios estrategicamente escolhidos: Capela, Carira, Gararu, Graccho Cardoso, Indiaroba, Japoatã, Muribeca, Pacatuba e Ribeirópolis. Essas áreas fazem parte da rota Nordeste Atlântica das aves migratórias, ponto importante para o monitoramento dessas doenças que representam graves prejuízos econômicos e uma ameaça à saúde pública, além de comprometer o comércio internacional de produtos avícolas no estado.

De acordo com a diretora de Defesa Animal e Vegetal da Emdagro, Aparecida Andrade, a rápida detecção de casos é essencial para o sucesso das medidas de controle e erradicação, bem como para manter a situação de área livre da doença em Sergipe. “A realização dessa etapa do plano de vigilância é um marco significativo para a saúde animal no estado. Estamos comprometidos em manter um monitoramento rigoroso, a fim de garantir que essas doenças não comprometam a avicultura local. A colaboração com o MAPA e a dedicação das equipes em campo são fundamentais para o sucesso desse trabalho”, afirmou Aparecida, ao destacar a importância da ação.

A diretora também enfatizou a importância desses inquéritos para fortalecer a capacidade de detecção precoce e resposta imediata a doenças que afetam a pecuária e a produção avícola em Sergipe. “Esses inquéritos são essenciais para que possamos responder rapidamente a qualquer ameaça e assegurar que nossas aves e produtos avícolas permaneçam saudáveis e seguros para o comércio”, acrescentou.

Os resultados dessas amostras serão analisados em laboratórios especializados, e qualquer indício de infecção será tratado com as medidas necessárias, para evitar a disseminação das doenças. A continuidade do plano de vigilância reforça o compromisso de Sergipe com a sanidade animal e a segurança alimentar, assegurando a saúde das aves e, consequentemente, da população que depende delas.

Denominadas de vigilância passiva, na primeira e segunda etapas do plano a Emdagro buscou investigar casos suspeitos de Síndrome Respiratória e Nervosa das Aves (SRN), e de mortandade excepcional de aves silvestres, respectivamente. Já na terceira etapa, foi feita a vigilância ativa em avicultura industrial, para detecção da Doença do Newcastle (DNC) e Influenza Aviária (IA).

Outras medidas

Também como medida de segurança, no mês de março a Emdagro estabeleceu a proibição de eventos que promovam a aglomeração de aves em todo o território do estado. A medida foi tomada em conformidade com o Decreto Estadual nº 358/2023, que declara Estado de Emergência Zoossanitária em Sergipe e institui o Sistema de Monitoramento, Avisos e Ações para prevenção da Influenza Aviária de Alta Patogenicidade.

Para implementar essa medida, a Emdagro se baseou em diversos documentos e normativas do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), que decretou estado de emergência no Brasil devido à ocorrência de focos da doença em outros estados, como o Espírito Santo, e o registro de quatro focos da doença na Bahia, no ano passado.

Você pode querer ler também