ARACAJU/SE, 18 de junho de 2024 , 2:21:50

logoajn1

Sergipe é o quinto estado em casos de latrocínios

O número de latrocínios (roubos seguidos de morte) cresceu 57,8% em sete anos no país. A conclusão está no 11º Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança, que será lançado hoje (30) em São Paulo. Na relação entre o número de latrocínios e a população, Sergipe ficou na quinta colocação, posição um pouco melhor que figurou na pesquisa anterior, quando estava na terceira posição. Segundo a Assessoria de Comunicação (Ascom) da Secretaria de Segurança Pública (SSP), a pesquisa mostra uma tendência de queda nos registros e a expectativa é que na pesquisa relacionada a 2017, o estado se distancie ainda mais do topo da tabela.

De acordo com o estudo, que concentra estatísticas oficiais das autoridades de segurança dos estados, em 2016 foram registrados 2.514 assassinatos cometidos durante o ato do roubo ou em consequência dele. Na edição anterior do estudo, divulgada em 2010, o número havia sido de 1.593. Na relação entre o número de latrocínios e a população, Sergipe ficou na quinta colocação, posição um pouco melhor do que figurou na pesquisa anterior, quando estava na terceira posição.

Em 19 estados houve aumento nesse tipo de crime. Rondônia (124%), Tocantins (73%) e Rio de Janeiro (70%) foram os estados com maior crescimento. No outro extremo, entre as unidades da federação em que os índices de latrocínio regrediram, as princiais quedas foram em Roraima (45%), Paraíba (28%) e Amapá (23%). Nos seis estados mais populosos além do Rio de Janeiro, foram registradas altas em São Paulo (1,2%), Bahia (1,4%), Paraná (8,3%), Rio Grande do Sul (17,1%) e Pernambuco (45%). Apenas em Minas Gerais houve recuo, de 10,6%.

Na relação entre o número de latrocínios e a população, o Pará aparece como o mais violento, com 2,6 casos por 100 mil habitantes no ano. Outros quatro estados superaram o índice de 2/100mil: Pará, Goiás, Amapá, Amazonas e Sergipe. Na outra ponta da tabela, Tocantins, São Paulo, Santa Catarina, Paraíba, Paraná e Minas Gerais ficaram abaixo de um por 100 mil. A taxa média do paíse é de 1,2 latrocínios a cada 100 mil habitantes.

Para especialistas, a alta generalizada tem relação direta com a crise econômica que o país tem enfrentado. Sem recursos, os estados reduziram os investimentos em estrutura e pessoal nos últimos anos.

*Com informações Agência Brasil

Você pode querer ler também