ARACAJU/SE, 25 de fevereiro de 2024 , 6:47:33

logoajn1

Servidores da Deso paralisam atividades amanhã

 

Da redação, AJN1

Nesta terça-feira (11), os funcionários da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) vão paralisar as atividades com o objetivo de alertar a população sobre o processo de privatização da empresa que estaria em curso. Os trabalhadores farão, pela manhã, um protesto em frente a Companhia, com sede em Aracaju.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) publicou no último mês de janeiro, no Diário Oficial da União, o aviso de Edital colocando a Deso entre as seis empresas públicas pré-qualificadas para participar de licitação para contratação de serviços técnicos especializados e estruturação de projetos de participação privada.

Na semana passada, técnicos do BNDES visitaram a Deso, o que levantou ainda mais a suspeita dos trâmites da suposta privatização.

O governo nega que a vinda dos técnicos tenha sido para tratar da venda da Deso.

Entenda

A Deso já estava na mira do governo Michel Temer, por meio do Programa de Participação em Investimentos (PPI), lançado ano passado, quando convocou todos os estados brasileiros a comparecerem a uma audiência na sede do BNDES, ocasião onde foram expostas as pretensões de realizar as concessões das companhias de água e esgoto dos estados. Neste caso, as privatizações seriam definidas por decreto e passariam desfrutar da condição de prioridade nacional.

Em novembro de 2016, o então secretário de Estado da Fazenda, Jeferson Passos, confirmou que o BNDES é quem recebeu a incumbência do presidente Temer de capitanear essa discussão com os estados. Sergipe, segundo ele, à época, recebeu o convite e compareceu, através da Secretaria de Planejamento, à audiência para tomar conhecimento.

O próprio governador Jackson Barreto foi bastante instigado a falar sobre o assunto e chegou a confirmar o convite do BNDES para Sergipe participar do estudo. Sem ser preciso, Jackson limitou-se apenas a falar que, “após análise dos estudos, tomará a decisão que melhor atenda ao estado”. Ao todo, 23 estados aderiram a essa análise do BNDES.

 

Você pode querer ler também