Idosa recebe doses de diferentes fabricantes de vacinas contra a covid-19 em Aracaju

Da redação, AJN1

Uma idosa de 75 anos recebeu nessa segunda-feira (5), duas doses de vacinas de marcas diferentes contra a covid-19. A aplicação equivocada ocorreu numa Unidade Básica de Saúde situada no conjunto Augusto Franco, em Aracaju.

O erro só foi descoberto após a divulgação de um vídeo no qual a cuidadora da idosa faz a denúncia.

Na primeira dose, datada em 15 de março, a idosa foi imunizada com a CoronaVac, e na segunda dose, aplicada ontem, com a AstraZeneca. A informação foi confirmada pela secretária Municipal de Saúde, Waneska Barboza, a qual informou que está acompanhando o caso.

UFS

Quem também está de olho nesse erro é a Força-Tarefa de combate à doença da Universidade Federal de Sergipe (UFS), sob o comando do professor Lysandro Borges. O objetivo é descobrir se a anciã desenvolverá anticorpos contra a doença mesmo após receber dois tipos de vacinas. Ela será submetida a um exame de sangue em 14 dias para saber o grau de anticorpos.

Riscos

Um fato semelhante ocorreu em fevereiro deste ano, em São Paulo, quando um médico publicou um vídeo nas redes sociais falando que tomou doses de duas vacinas diferentes contra a covid-19, da Coronavac e da Aztrazeneca. Nesses casos, especialistas alertam sobre o risco dessa combinação e de inclusive comprometer a eficácia dos imunizantes.

Em entrevista à Agência Brasil, o imunologista Jorge Kalil, um dos mais respeitados do Brasil, disse que o mais seguro é tomar as duas doses da mesma fabricante, porque foi dessa forma que a eficácia e a segurança delas foram testadas.

O infectologista Marcelo Daher também fez a ponderação de que as vacinas em uso no Brasil atualmente, Coronavac e da Aztrazeneca, usam tecnologias diferentes; e por isso, a vigilância epidemiológica precisa monitorar esses casos para eventuais reações adversas.

Além da questão de possíveis reações, o caso foi parar no Ministério Público de São Paulo, que abriu um inquérito civil contra o médico.