ARACAJU/SE, 18 de julho de 2024 , 9:33:24

logoajn1

Taxistas clandestinos protestam em Aracaju contra fiscalização da SMTT

Por Ivo Jeremias, AJN1

 

Um grupo de homens depredou terminais de integração e veículos do transporte público de Aracaju na manhã desta sexta-feira (31). De acordo com a Polícia Militar (PM), os autores dos atos de vandalismos são taxistas clandestinos, que estão realizando protestos em diversas localidades da capital.  No terminal do Mercado, seis ônibus tiveram os pneus furados, sendo impedidos de circular. No conjunto Augusto Franco, cinco veículos tiveram os pneus esvaziados.  

 

 A Superintendência Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT) acredita que estas ações seriam uma forma de protesto contra a possível aprovação de um projeto de lei que torna mais rigorosa a punição para quem trabalha de forma irregular 

 

De acordo com o diretor de Transportes Públicos da SMTT, cel. Péricles Menezes ,  os atos de vandalismo que ocorreram na manhã de hoje não intimidarão o trabalho de fiscalização. 
 

 

"Ainda na madrugada de hoje recebi a informação que alguns pontos do transporte público tinham sido atacados por vândalos, o primeiro foi o terminal do centro, depois o do mercado. Eles estão motorizados com motos, a guarda municipal e Policia Militar foram acionadas. Os clandestinos estão insatisfeitos com a possível aprovação de um projeto na Câmara de Vereadores que torna mais rigorosa a multa, mas a SMTT irá continuar atuando e multando quem faz transporte irregular, nosso compromisso é com legalidade”.

 

O cel Péricles ainda falou acerca da legalização dos clandestinos. De acordo com ele, está é uma questão que não compete a SMTT. 
 

 

“A SMTT não tem poder para interferir na legalização ou não, essa é uma questão do Ministério Público, do judiciário, nosso papel é, enquanto não for legalizado, combater o transporte irregular de passageiros. Nós precisamos deixar bem claro que precisamos ter um sistema de transporte legal, que possa ser cadastrado. O projeto que aumenta multa, vai permitir que possamos aprender o veículo por mais tempo, hoje após pagar a multa o motorista clandestino recebe o veículo de volta”. 

 

 O presidente da Cooperativa de Transporte Alternativo do Bairro Santa Maria (Cooptasmar), Claudio Santana, um dos líderes do protesto na região, negou que as ações de vandalismo tenham sido praticadas pelos taxistas manifestantes.  

 

“É um trabalho que fazemos aqui há mais de 20 anos, só ontem aprenderam mais de 20 veículos nossos, por isso que está ocorrendo este protesto, nós não vamos parar, mas não fomos nós que esvaziamos os pneus dos ônibus, foi a própria população que está do nosso lado. O Santa Maria hoje está sem transporte, queremos nossa legalização”, disse Cláudio. 

 

Através do programa Comando Geral, rádio Jornal, alguns moradores se posicionaram a favor dos taxistas manifestantes.
 

“A verdade é que o transporte regular aqui não funciona, é precário, então tem que existir um transporte alternativo aqui, por que não legalizar, são eles que atendem a população do bairro Santa Maria”, questionou uma moradora do Bairro e ouvinte da rádio jornal.

 

Já o vereador Adriano Oliveira (PSDB), que já trabalhou como taxista, apoiou as ações da prefeitura de Aracaju no combate ao transporte clandestino e se mostrou contrário a legalização. 

 

“Isto era para ser feito em gestões passadas ( a fiscalização), a SMTT está de parabéns. Se legalizar vai virar uma bola de neve. Amanhã vão surgir mais de cem querendo ser legalizados, isto tem que acabar. O que a população do Santa Maria deve fazer é cobrar um transporte qualidade, será que essas pessoas aceitariam ser atendidas por um falso médico, um falso advogado ?claro que não.Nós temos 2080 táxis em Aracaju, são mais de 4 mil trabalhadores que estão passando dificuldade por causa da concorrência dos clandestinos. O taxista legalizado, que paga suas taxas, trabalha o dia inteiro para tirar 100 reais, então não é justo alguém pegar um carro particular para prestar esse serviço”. 

 

Fotos: Lindivaldo Ribeiro/CS

 

Você pode querer ler também