Terceirizados da Petrobras bloqueiam Polo Atalaia e paralisam atividades 

Da redação, AJN1

 

No início da manhã desta segunda-feira (29), os trabalhadores da empresa MCE Engenharia, que prestam serviços a Petrobras, fizeram um protesto em frente ao Polo da Atalaia e impediram a entrada dos demais funcionários. Eles cobram a regularização do salário referente ao mês de janeiro, além de cestas básicas e parte do 13º salário.

 

O diretor do Sindicato Unificado dos Trabalhadores Petroleiros, Petroquímicos, Químicos e Plásticos nos Estados de Sergipe e Alagoas (Sindipetro), Segundo Gildo Francisco Pereira, disse que cerca de 210 funcionários estão nessa situação e, por estarem insatisfeitos, a cada dia uma área da Petrobras será fechada.

 

“O Polo da Atalaia foi fechado e a cada dia fecharemos uma área da Petrobras. Estamos insatisfeitos com o descaso da MEC e da Petrobras e só retornaremos ao trabalho quando uma das duas se pronunciarem e resolverem os problemas dos atrasos dos salários, das cestas básicas, e de parte do 13° salário”, revelou.

 

A paralisação prejudica, segundo Gildo, toda a área de manutenção do Polo da Atalaia, entre instrumentação, soldas, andaimes, pintura e isolamento térmico.

 

“Se precisar de alguma manutenção o Polo vai ter que parar porque não tem trabalhador para fazer o serviço. No momento, essa é a única alternativa dos terceirizados, já que a MEC e a Petrobras não se manifestam”, afirma.

 

Petrobras

 

A Petrobras informou que não irá comentar sobre as paralisações dos trabalhadores da MCE Engenharia e que a empresa, que é responsável pelos funcionários, é que deverá responder pela greve.

 

Procurada, a MCE Engenharia não foi localizada para comentar o assunto.