ARACAJU/SE, 18 de maio de 2024 , 4:16:13

logoajn1

Usuários se revoltam com paralisação de atividades no Detran

A manhã desta quarta-feira,7, foi de tumulto no pátio do Detran. Os usuários de serviços oferecidos pelo órgão ,que foram até lá para fazer vistoria dos veículos e outros serviços, foram informados que mesmo com a decretação da ilegalidade da greve dos servidores do Detran pela justiça, os serviços estavam suspensos totalmente na manhã de hoje. 

 

Revoltados, os proprietários de veículos que pernoitaram no Detran em busca de atendimento e não obtiveram êxito resolveram fechar a avenida Rio de Janeiro, que fica em frente ao órgão. A via só foi liberada por volta das 08h da manhã com a presença da Companhia de Policiamento de Trânsito (CPTran) que chegou a um acordo de forma pacifica com os manifestantes.    

 

Mesmo com a greve em andamento estavam sendo realizadas uma média de 30 ou 40 vistorias por dia. A lei determina que em serviços essenciais, como foi avaliado o que é prestado pelo Detran, seja disponibilizado em atividade um efetivo mínimo de 30% do quadro de servidores. 

 

Ilegalidade da Greve

 

 O Tribunal de Justiça de Sergipe decretou na manhã desta segunda-feira ,6, a ilegalidade da greve dos servidores do  Detran. Os grevistas deverão retornar ao serviço após o Sindicato dos Assistentes de Trânsito, Vistoriadores e Servidores do Detran (Sindetran/SE) ser notificado oficialmente, sob pena de multa diária de R$ 10 mil.

Detran

 

Assessoria de comunicação do Detran informou à imprensa que por falta de servidores o órgão não tem condições de prestar atendimento nesta terça-feira, 7, e pediu aos servidores que retornem às atividades para que os serviços sejam normalizados.  

 

Sindetran

 

Os servidores do Detran estão em greve desde o dia 25 de junho. Eles reivindicam reposição salarial e melhorias nas unidades físicas do órgão. O presidente do Sindetran, Thiago Bomfim, informou que na próxima sexta-feira ,10, a categoria terá uma nova assembleia para decidir os próximos passos da greve. 

Você pode querer ler também