OPERAÇÃO XEQUE-MATE - 11/06/2019 - 17:32

Grupo político teria desviado mais de R$20 milhões da Prefeitura de Carira



Da redação, AJN1

Os ex-prefeitos de Carira, João Bosco Machado e Diogo Machado (pai e filho) estão entre os detidos durante a operação “Xeque-Mate no Sertão”, deflagrada na manhã desta terça-feira (11), pelo Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública da Polícia Civil (Deotap), como havia divulgado mais cedo o AJN1. Também foram detidos o vereador José Alves de Menezes e mais quatro empresários.

O Deotap classificou o grupo de “organização criminosa”, que utilizava do poder político, por meio de licitações fraudulentas, para desviar dinheiro público em Carira.

De acordo com o Deotap, as fraudes ocorreram no período de aproximadamente 20 anos, na Prefeitura de Carira. A polícia aguarda ainda a apresentação do irmão ex-prefeito Diogo, identificado como Diego Machado.

A delegada geral da Polícia Civil, Katarina Feitoza, disse durante entrevista coletiva que o grupo atuava em diversas frentes da administração pública com o objetivo de fraudar licitações. “Era um grupo político que se valia do seu poder para desviar dinheiro público da prefeitura. No inquérito policial já apuramos um desvio aproximado de R$ 7 milhões. Nos inquéritos civis, feitos pelo Ministério Público, é apontado desvio de mais de R$ 20 milhões”, destacou.

O principal articulador do sistema de fraude à licitação, apontado pelo Ministério Público, é o ex-prefeito João Bosco Machado. “O dinheiro saía dos cofres da Prefeitura de Carira, seguia para a empresa Angular e retornava para a conta do ex-prefeito João Bosco Machado, como também para a conta de seu filho Diogo Menezes, que era o prefeito na época”, destacou a delegada Lara Schuster, que coordena as investigações.

A delegada Schuster disse que as prisões ocorreram nos municípios de Salvador (BA), Tobias Barreto e Carira. Neste último, cinco prisões foram confirmadas. Segundo ela, a quadrilha agia por meio de uma empresa denominada ‘Angular’, na qual foram constatadas sucessões de sócios que agiam como laranjas para movimentar dinheiro e fazer retornar aos irmãos Diogo e Diego.

Além do ex-prefeito e seu filho, Diogo Menezes Machado, mais sete pessoas foram acusadas de participar da organização criminosa, sendo que Antônio Carlos dos Santos, conhecido por “Carlinhos”; José Messias dos Santos, José Alves de Menezes e Robson Lopes de Oliveira já estão presos identificados como “laranjas” da organização criminosa.

Defesa

O advogado de defesa dos ex-prefeitos, Evânio Moura, disse que amanhã estará na Comarca de Carira para ter acesso aos autos e em seguida pedirá a soltura de seus clientes.