ARACAJU/SE, 14 de julho de 2024 , 23:33:48

logoajn1

Gustinho Ribeiro propõe projeto para reduzir assaltos a ônibus

 

 

O deputado estadual Gustinho Ribeiro (PSD) usou a tribuna da Assembleia Legislativa no início da manhã desta quarta-feira, 27, para defender a tramitação e aprovação do Projeto de Lei de sua autoria que irá coibir e reduzir o crescente número de assaltos nos veículos de transporte público. Se aprovado, obrigará as empresas de ônibus a instalarem um dispositivo de alcance apenas do motorista. 

 

No momento do assalto, o dispositivo será acionado pelo motorista e, no letreiro externo do ônibus, aparecerá a mensagem “ASSALTO-POLÍCIA190”, chamando a atenção de todos que estiverem nas vias onde o veículo circular. Deste modo, qualquer cidadão que ver o aviso poderá ligar para a polícia denunciando o delito. Para Gustinho, a aprovação do projeto dará à sociedade maior segurança na hora de utilizar o serviço de transporte público. 

 

“Esse projeto é importantíssimo. O número de assaltos poderá ser reduzido significativamente dando mais segurança à população e aos trabalhadores rodoviários. O sistema é simples e barato. Depois de acionado, quem estiver na rua verá o aviso no letreiro digital e poderá ligar para a polícia. Além disso, o assaltante sabendo da existência desse dispositivo em todos os ônibus, terá medo de correr o grande risco de ser preso”, explicou o parlamentar. 

 

Segundo dados do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Aracaju (Sintra), nos três primeiros meses de 2015 cerca de 290 assaltos foram registrados dentro dos ônibus de transporte coletivo da Grande Aracaju. Em 2014 não foi diferente, foram aproximadamente 249 assaltos em igual período. Ainda na tribuna, Gustinho citou um exemplo que deu certo. “Em Santa Luzia, cidade situada na região metropolitana de Belo Horizonte, após a instalação deste dispositivo, o número de assaltos caiu de 4 por dia para apenas 1 por mês. Isso mostra o quanto pode ser eficaz esse projeto”, relatou o deputado. 

 

 

Com informações da Agência Alese

Foto: Ascom/Alese

Você pode querer ler também