Prefeitura vai capacitar soldados do Exército para combater o Aedes aegypti

Nesta quarta-feira (9), a Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal da Saúde, vai treinar os soldados do Exército para atuarem no combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue, Chikungunya e Zika Vírus, este último apontado como o responsável pelo crescimento do número de crianças que estão nascendo com microcefalia.

 

A ajuda foi solicitada ao comandante do 28º Batalhão de Caçadores (28 BC), tenente-coronel Marcus Augusto da Silva Neto, na última quarta-feira (2), pelo secretário Municipal da Saúde, Luciano Paz.

 

Na visita, foi colocada a situação grave e a importância da participação do Exército na cruzada contra o mosquito. “A situação é grave e precisa do comprometimento de todos. Destacamos ao comandante a importância de contar com a colaboração de Exército e ele foi bastante receptivo”, comentou Luciano Paz, que na ocasião da visita, foi acompanhado pela diretora de Vigilância em Saúde, Tereza Cristina Maynard. “Havíamos enviado o ofício no dia anterior, mas fizemos questão de ir pessoalmente falar com o comandante do 28º BC”, explicou o secretário.

 

A previsão, de acordo com Tereza Cristina Maynard, é que na quinta-feira (10), os agentes já estejam em campo, juntamente com os militares. “A cada turno, teremos cerca de 30 soldados atuando no combate ao mosquito, em conjunto com os agentes de Endemias e os de Saúde”, relatou, complementando que a capacitação dos soldados acontecerá no quartel do 28º BC, a partir das 8h30 desta quarta-feira. “Estaremos treinando 100 soldados que atuarão na regional de Aracaju e também todos que atuarão no Estado. Também já definimos a logística do trabalho com o Major Listo, com quem estaremos fazendo também o planejamento das ações, a cada semana”.

 

Emergência

 

A Prefeitura de Aracaju decretou situação de emergência em saúde pública – decreto n° 5.256, de 30/11/2015 – devido ao crescimento de casos notificados de microcefalia registrado este ano na capital sergipana. Até o momento, de agosto até outubro, foram 26 notificações, enquanto que nos últimos cinco anos, a média registrada foi de um caso por ano. "Estamos vivendo uma epidemia de microcefalia e necessitamos de toda ajuda possível no combate ao Aedes, já que o aumento de casos de bebês com a malformação congênita está sendo causado pelo Zika Vírus, transmitido por este mosquito", explicou Tereza Cristina.

 

Com informações da PMA