UFS tem o 4° curso de Direito do país que mais aprova na OAB

A Universidade Federal de Sergipe (UFS) foi considerada pelo Jornal Folha de São Paulo a quarta melhor escola de direito do país, observando os indicadores de aprovação no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O levantamento divulgado pelo veículo de comunicação avaliou o desempenho de 790 instituições de ensino superior que têm o curso de direito no exame da OAB.

A reportagem, intitulada “Maioria dos cursos tem apenas 30% de aprovados na OAB“, destaca que apenas o grupo restrito de 43 instituições de ensino – o que representa 5,4% do total de instituições – aprovam mais da metade dos alunos na OAB. O índice de aprovação de 73,01% no exame pela UFS garantiu a instituição a excelente posição no ranking.

Vale destacar que das 790 instituições que oferecem o curso, 710 são privadas e 80 estaduais, federais ou municipais.

Em nota, professores do curso de Direito da UFS destacaram que o ranking “é motivo de muito orgulho e satisfação para o Departamento de Direito e para toda a UFS pois confirma que a formação jurídica que está sendo oferecida pela universidade é de excelência e encontra-se em condições de igualdade com os mais prestigiados cursos de Direito do país”.

A nota ressaltou ainda sobre o desempenho dos estudantes em outras provas. “o bom desempenho dos nossos estudantes não é apenas no exame da OAB, como também no ENADE, concursos públicos, etc”.

Essa é a segunda vez que a Folha avalia a porcentagem de aprovação na OAB dos cursos de direito oferecidos no país, considerando o percentual de aprovados finais no exame.

O exame

O exame da OAB é a prova que torna apto os bacharéis em Direito a exercerem a advocacia em todo o território nacional. Realizado em duas fases, a primeira é uma prova objetiva, com 80 questões de múltipla escolha, e a segunda é uma prova prático-profissional, que contém uma peça profissional e quatro questões subjetivas. Para obter a aprovação, o candidato deve acertar 50% das questões da primeira fase e ter um aproveitamento de 60% da segunda fase.